Dramas, derrotas, decepções. Anderson Silva passou de um supercampeão, o maior da história do UFC, a um lutador pressionado a dar show e que aos poucos foi “quebrando”, até a chegar ao fundo do poço com uma suspensão por doping. No próximo sábado, ele enfrenta o inglês Michael Bisping, em Londres, tentando afastar a zica e limpar o horizonte para, aos 40 anos, iniciar uma nova corrida pelo cinturão. Sua maior arma depende de um movimento de dezenas de músculos. E não está em socos ou chutes, mas na face. É o sorriso. Pode parecer piegas falar nisso, mas, conversando com as pessoas que rodeiam o Spider nos últimos meses, a principal diferença notada por eles é a alegria e a satisfação em voltar a lutar e em decidir retomar a carreira. Em um vídeo postado por Anderson, ele aparece conversando com o baterista do Blink 182 Travis Barker, durante um treino, e explica: “Eu estou animado em voltar. Não para provar nada para ninguém. Por mim mesmo, pelo meu coração. Acho que é um desafio para a minha mente, atingir um próximo nível na minha vida.” A rotina de campeão custou caro a Anderson, desde que ele nocauteou Vitor Belfort e deixou de ser apenas um astro do UFC e se tornou uma celebridade no Brasil e no mundo. A pressão inerente à posição foi pesando sobre os seus ombros, até a derrota para Chris Weidman, quando ele já mostrava sinais de desgaste e vinha falando como tinha vontade de “se livrar” do cinturão. O surpreendente é saber que o Anderson que desembarcou em Londres na segunda-feira é visto como o mais alegre e solto justamente desde aquela vitória contra Vitor. Ed Soares, empresário que acompanha toda a trajetória de Anderson no UFC, puxa na memória: “Eu me lembro dele feliz assim anos atrás, acho que (não ficava tão feliz) desde antes da luta contra o Vitor. Lá no início da carreira dele no UFC é que ele estava feliz como agora. O Anderson é um cara dedicado, sempre foi bem para as lutas, mas a cabeça pesa muito, tem muita coisa ao mesmo tempo quando se está no topo”. Não é só ele. Rodrigo Minotauro está sempre em contato com o ex-campeão. Viajou aos Estados Unidos, viu o fim da preparação e embarcou junto com Anderson para Londres. Lá, fez a mesma análise. “Eu senti isso, sim. Ele está muito motivado, como há muito eu não via. Como o Ed falou, mesmo, desde a luta contra o Vitor”. O empresário de Anderson explica que essa felicidade e vontade de lutar influem diretamente no desempenho no octógono. “Quando ele está se sentindo assim, é um sinal muito bom. Todo mundo sabe das habilidades que ele tem, e quando ele está assim, todas essas habilidades funcionam bem. O Anderson está forte, focado e feliz. Isso é o mais importante.”

Fonte: Voz da bahia

Anúncios

Sobre jorgequixabeira

Sempre gosto de postar nóticias verídicas, pois zelo pela credibilidade do que posto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s